quarta-feira, 12 de julho de 2017

[Pegadas & Divulgações] Novidades Porto Editora e Coolbooks - Julho

Sobre o livro: Sete inquietantes histórias inspiradas no imaginário da tradição portuguesa. O sete significa a perfeição e a abertura ao desconhecido. Os olhos de Deus e as cabeças do Diabo. É este o místico número de histórias narradas em A Arte de Caçar Destinos, onde vidas normais são perturbadas pelo inexplicável e sobrenatural.
Alberto S. Santos capta neste livro a essência da alma portuguesa que se preserva na tradição oral, nas festas dos ciclos agrários, nas práticas mágicoreligiosas, onde o sagrado e o profano se unem para a salvação das almas. Entre de mansinho neste sedutor jogo de sombras, maldições ancestrais, poções mágicas, vidas interrompidas e caçadores de fados, e descubra o seu próprio destino. Nem sempre a vida é o que parece. Nem sempre está completamente nas nossas mãos.

Sobre o autor: Alberto S. Santos é formado em Direito pela Universidade Católica Portuguesa. É natural de Paço de Sousa, Penafiel, onde reside. Publicou os romances bestsellers A Escrava de Córdova (2008), A Profecia de Istambul (2010), O Segredo de Compostela (2013) e Para lá de Bagdad (2016). É autor desta coletânea de histórias A Arte de Caçar Destinos (2017) e participa ainda na série de contos de autores lusófonos Roça Língua (2014).
-------------------------------------------------------------------------------
Sobre o livro: Baseado em acontecimentos reais, vividos pela autora durante as viagens que fez ao Bangladesh, A última viagem conta a história da luta de Maria Eduarda pela construção de um hospital pediátrico em Daca. Após a trágica perda do marido, a vontade de continuar com o projeto que iniciaram juntos esmorece. A vida, contudo, não lhe permite esquecer, e Maria Eduarda regressa ao Bangladesh para honrar o compromisso que, afinal, nunca tinha abandonado.
O aparecimento de Carlos, diretor de um laboratório farmacêutico, faz com que a concretização do sonho se torne possível, mas em condições bastante peculiares. Maria Eduarda será obrigada a testar a integridade dos seus valores enquanto assiste a uma mudança improvável na sua vida, da qual parece ter perdido todo o controlo.
Este é um romance construído à volta das relações interpessoais e de tudo aquilo que o ser humano é capaz de abdicar, por amor a quem nasceu com quase nada. Se as crianças de Daca são o fio condutor de toda a narrativa, heróis improváveis que lutam diariamente por uma sobrevivência dura e muitas vezes inglória, o amor é a energia invisível que transforma sonhos em algo verdadeiramente lendário.

Sobre a autora: Tem 35 anos e vive no Porto.
Iniciou o seu percurso profissional na área da saúde, como enfermeira. Trabalhou durante cinco anos num serviço de psiquiatria, onde aprendeu muito do que sabe acerca do ser humano e dos seus limites. Abandonou a enfermagem para se dedicar a um projeto pessoal na área da restauração/turismo, mas, três anos mais tarde, a paixão de sempre falou mais alto, passando a dedicar-se inteiramente à fotografia e, mais tarde, à escrita.
O facto de gostar muito de línguas levou-a ao Bangladesh pela primeira vez, como tradutora. Regressou um ano mais tarde para integrar um projeto de voluntariado. Foram duas viagens, que encara como uma só. Juntas fecharam um ciclo do qual, no fim, precisou de se afastar. Só agora, cerca de cinco anos depois, se sentiu capaz de escrever sobre tudo o que viu e viveu. São viagens que acontecem e nos mudam.

Nenhum comentário:

Postar um comentário